Half-Life – O jogo que mudou vidas

O ano é 1998, e você está em uma viagem de trem que mudará a sua vida.

Half-Life, para quem ainda não conhece, é um jogo de tiro em primeira pessoa, onde você meu caro steamtador e jogador controla Gordon “Motherfucker” Freeman, um cientista recém formado no MIT, em seu primeiro dia de trabalho no laboratório secreto de Black Mesa, após a recomendação de um antigo professor seu que também trabalha no local.
Lembra do trem que eu falei bem ali no comecinho do texto? Pois é. No começo do jogo, você está dentro desse trem, viajando pelo complexo de Black Mesa (Literalmente viajando, o local é ENORME) em direção ao seu posto de trabalho. Lhe é apresentado seu nome, e algumas outras informações para o jogador se situar, até que enfim, você chega ao seu destino.

Gordon Freeman com a HEV Suit mark IV

Após algumas conversas, comidas explodidas em micro-ondas, e promessas de cerveja, você é conduzido para a HEV Suit, sua nova melhor amiga em ambientes hostis. HEV Suit é uma abreviação de “Harzadous Environment Suit”, ou “Traje para ambientes perigosos”, em tradução livre. Esse traje permite que o Gordon e os outros cientistas que a utilizaram possam trabalhar em ambientes que normalmente matariam qualquer outra pessoa. Equipada com os mais diversos acessórios, como um contador Geiger, uma lanterna, uma tela (HUD) que exibe a sua situação de saúde e de munição, um administrador de morfina, uma voz computadorizada que de vez em quando te avisa sobre machucados e falta de munição, entre outros utilitários.

“Perdi” um parágrafo para falar da HEV Suit porque ela é quem vai manter você, meu amigo jogador, vivo durante sua empreitada por HL.
Ta, mas vamos pular para a parte onde tudo realmente começa.

Gordon é direcionado para realizar testes em um cristal extraído de um outro mundo, conhecido como “Xen”. Tal mundo teve seu acesso possível devido a várias tecnologias de portais que estavam sendo testadas em Black Mesa (Agora você deve estar pensando com portais), e ao chegar finalmente na área de testes, você escuta um de seus colegas que existe a possibilidade desse pequeno experimento dar errado e acabar resultando em uma reação em cadeia que sabe-se lá quais consequências negativas poderiam trazer para o mundo. Mas ei, nós confiamos em você Gordon, mesmo sendo seu primeiro dia de trabalho, o que poderia dar errado? Vamos fazer isso pela ciência!

Afinal, o que pode dar errado?

Afinal, o que pode dar errado?

Obviamente, o experimento dá errado, e o mundo é infestado de portais, trazendo para a Terra diversos alienígenas, inteligentes ou não, criando um caos em Black Mesa, e no mundo. E a partir daí, sua jornada por sobrevivência e respostas começa.

Saindo um pouco do mérito da história, Hλlf-Life foi um dos jogos mais aclamados de sua época, ganhando até o premio de “jogo da década”, e com razão. Esse jogo revolucionou a maneira como se jogava FPS na época, com uma excelente jogabilidade, física em jogos nunca vista até então, uma trilha sonora arrasadora, e o bom e velho estilo Valve de contar histórias. Se você prestar atenção nos detalhes dos cenários, você recebe diversas “dicas” do que está acontecendo ou do que aconteceu (Coisa que acontece muito em Portal, e outros jogos da Valve).

Gordon e seu fiel pé de cabra.

Gordon e seu fiel pé de cabra.

A beleza está nos detalhes

Carta de admissão do Freeman, encontrado no manual do jogo para PS2.

Podemos citar como uma característica forte do jogo o sentimento de isolamento que você sente, principalmente na primeira metade do jogo, tudo isso acompanhado pelo completo caos que o mundo está se tornando, e os mistérios que surgem com o tempo. É bom lembrar também que Half-Life não se prende somente ao “FPS” da coisa, pois fora as sequencias de tiro, o jogo fica alternando entre Puzzles e alguns elementos de jogos de plataforma no decorrer da história.

E claro, não vamos nos esquecer que Half-Life serviu de base para Counter-Strike, outro FPS clássico que fez com que eu, e provavelmente muitos de vocês passassem horas em Lan-Houses com os amigos.

Para os padrões gráficos de hoje, obviamente que Half-Life está defasado, mas ainda é um título muito bom de ser jogado. E para os que REALMENTE se importam com gráficos (Até pra quem não se importa tanto), alguns fãs muito talentosos criaram um remake de Half-Life usando engines gráficas mais atuais, chamado inicialmente de “Black Mesa: Source” e o resultado ficou simplesmente genial. (E é grátis!). Caso queiram baixar, basta acessar esse site.

Se você gosta de ficção cientifica, aliens, FPS, Pés-de-cabra, e tudo isso envolto em uma excelente trilha sonora, Half-Life certamente é um jogo pra você.

Sobre o Autor

Outros posts de

Daniel Costa

24 anos, graduado em Tecnologia de banco de dados, empresário, gamer desde sempre, tento ser designer mas sempre acabo fazendo programas feios (T_T), programador web, quase web designer, DBA, porteiro, jardineiro e carteiro nesse blog/page que vossa senhoria está lendo! Um mingo dupal que quase ninguém sancha mas que sempre sabe onde está sua toalha!