Recomendações de Black Friday – Anderson

Antes de tudo vocês precisam saber: Eu sou contra gastar dinheiro nessa sale de Black Friday.

Não me xinguem pelo absurdo da frase. Faz parte de uma crença minha de que esta não é a última e foderosa sale do ano. E o próprio Steam já me provou isso, pois muitos jogos ganharam descontos “pela metade”.

Eu sei que tem muita gente que aproveita uma sale assim que vê. Aliás, vocês tão se controlando, né? Seguiram minhas dicas pra não ir a falência? Enfim, pra essa galera que ainda tá em dúvida de como gastar dinheiro eu preparei uma longa lista de recomendações.

Separei até por categorias, ó que bonito.

Triple A’s

Nada melhor que começar com os jogos das grandes produtoras, aqueles que demoraram mais de um ano pra ficar num preço legal pra todo mundo.

Tomb Raider

tomb raider

Amostra o link: Só clicar aqui

Acredito que já não é segredo pra ninguém que eu considero esse um dos melhores jogos de 2013. Meu post sobre ele aqui no blog detalha um pouco mais o porque ele é foda.

Caso você esteja com preguiça de clicar no link, vou simplificar: Tomb Raider é foda. Papo sério. Ele devia entrar pra história como um dos reboots mais bem feitos de uma série. Os caras da Crystal Dynamics conseguiram fazer uma Lara Croft tão real e tão humana que é meio difícil não desenvolver uma paixãozinha por ela. Aliás, a caracterização da personagem é tão boa que cada vez que ela morre dá pra quase sentir a dor. Bom, não quase sentir a dor porque se ela morre a dor seria forte demais pra sentirmos também e… bom, vocês entenderam, né?

Dica de bróder: Ignore a versão GOTY, sério. Os DLCs do game são todos voltados pro multiplayer que é uma merda criado só pra ter mesmo. Se você comprar esperando uma boa experiência com ele vai se decepcionar.

Assassin’s Creed: Brotherhood

ac_brotherhood

Amostra o link: Só clicar aqui

Quero ressaltar que estou recomendando o Brotherhood. E tô sendo bem específico nisso. Por que? Simplesmente porque ele é um dos, senão o melhor, jogos da franquia Assassin’s Creed. Aqui, mesmo os momentos de jogar como Desmond Miles não incomodam tanto. Na verdade são partes até interessantes.

Brotherhood pega tudo que o Assassin’s Creed II fez de bom e amplia (que aliás você precisa jogar pra entender melhor o Brotherhood). A história continua a acompanhar Ezio na Itália. Dessa vez um pouco mais velho e menos irresponsável, ele já não procura mais vingança, mas sim, uma forma de reerguer o credo dos assassinos na Itália.

O jogo é engajador, intrigante e muito satisfatório. Arrisco dizer que em Assassin’s Creed: Brotherhood a Ubisoft esteve muito perto da perfeição que ela vem tentando atingir com os títulos subsequentes da série.

Ah, e pros que desejam, o game tem multiplayer. É até uma parte interessante dele. Hoje em dia eu não sei se ainda tem gente nos servers.

Far Cry 3

fc3

Amostra o link: Só clicar aqui

Claro que nesse ponto da vida tá todo mundo pensando e falando de Far Cry 4. O que é justo, mas não dá pra esquecer de Far Cry 3.

Esse jogo foi tão bem feito, tão bem cuidado que aqui a Ubisoft percebeu que tinha criado outra fórmula. Então, assim como Assassin’s Creed, espere que Far Cry vai ser muito mais do mesmo nos próximos anos.

E tudo isso por causa de Far Cry 3. Tudo isso porque ficamos sabendo qual a definição de insanidade. Tudo isso porque aprendemos aqui que um vilão pode ser um cara que a gente gosta muito mais que o protagonista.

Se você deixou de comprar Far Cry 3 em algum momento só porque já saiu o 4, se arrependa. Não pule o 3. Apesar das histórias serem independentes (até onde sei) você precisa conhecer o Vaas e seus maneirismos.

The Elder Scrolls V: Skyrim

skyrim

Amostra o link: Só clicar aqui

Ia faltar esse? Claro que não ia.

Eu tô apenas no começo do game e já dou ele como compra certa pra quem curte o tema medieval, magia, open world ou tudo isso junto. E quando eu digo que tô no começo do jogo, quero dizer que mesmo com 12 horas de game eu não cheguei a lugar nenhum.

Tem muito pra se fazer aqui, muito mesmo. Apesar de ter sido lançado em 2011, ainda tem gente jogando, ainda tem gente tentando achar todas as quests possíveis. E se você entrar no Steam e ver os jogos mais jogados pela comunidade, vai ver que ele é o terceiro ou quarto, atrás de DOTA e CS:GO.

Além de te dar um mundo gigantesco pra explorar, centenas de quests pra fazer Skyrim ainda oferece algo raro nos games de hoje em dia: Replayabilidade. O que eu quis dizer com essa palavra horrível, foi que o game te faz querer jogar de novo, já que logo no começo você cria seu personagem a partir de uma seleção de raças com características muito próprias.

Enfim, Skyrim tem sua fama, não preciso falar muito dele. Sobre preço, tente pegar a Legendary Edition que costuma aparecer por 27 reais.

Fallout 3: GOTY

fallout3

Amostra o link: Só clicar aqui

A semelhança de Fallout com Skyrim não é mera coincidência: ambos são feitos pela Bethesda. E as semelhanças vão além da caracterização e movimentação dos NPCs que são muito parecidas, senão a mesma.

Em Fallout 3 também dá pra fazer coisa pra caramba. O mundo acabou. A humanidade ferrou tudo com sua picuinha guerrinha nuclear e agora o planeta só tem terra e água radioativa. Tem uns robôs também, símbolos de uma sociedade perdida. Ah, e claro, tem criaturas estranhas. Muitas delas.

Fallout 3 oferece um mundo vasto de exploração. Claro, você pode optar pelo New Vegas que o Mauker já recomendou. Mas Fallout 3 tem seu charme e merece uma chance em seu coração e em seu HD.

Ah, só não vai fazer que nem eu e criar um personagem baseado em Stealth. Não dá pra carregar nada e o mais legal desse game é roubar tudo dos caras que você acabou de meter um tiro na cabeça.

Rage

rage

Amostra o link: Só clicar aqui

A Bethesda e esse amor por jogos onde o planeta tá todo cagado.

Já falei de RAGE antes aqui no blog, mas vale recomendar mais uma vez. Se você curte tiros, aqui tem muitos. A seleção envolve 9 tipos diferentes de armas além de itens como pequenos robos sentinelas e variados tipos de munições.

O game chama atenção pelos gráficos e sua pegada Steampunk. Claro, a história deixa a desejar em muitos aspectos, principalmente quando não desenvolve profundidade com as diferentes facções presentes no game e não deixa seu personagem ter escolha sobre nada.

Apesar de linear, é divertido descobrir mais sobre os efeitos do meteoro que caiu aqui e ferrou com tudo.

XCOM: Enemy Unknown

xcom

Amostra o link: Só clicar aqui

Parece que eu tô numa campanha incansável pra convencer a galera que esse é um dos melhores jogos que eu já joguei. E talvez eu esteja. Já falei sobre ele no fim de semana de freebies do Steam, depois nas promoções da Nuuvem e também fiz um grande post sobre ele.

É, eu devo estar beirando o fanatismo a esse ponto, mas eu não ligo, pois esse treco merece.

Vocês precisam entender que XCOM traz um negócio que me muito me atrai: Dar tiro na cara de aliens. Não que esse seja um desejo obscuro meu, mas é que aqui, nesse caso, eles merecem. Além de tudo, esse jogo envolve uma boa camada de estratégia e administração de recursos, sem falar que suas batalhas, mais parecem com um xadrez moderno.

“Aiiin, xadrez. Que tédio”

Cara, sai daqui. Não, sério. Se você tá buscando um jogo que vai te desafiar, chutar muito sua bunda até você aprender e ainda assim continuar chutando sua bunda, XCOM é a melhor escolha.

Dica de bróder: Se você tiver podendo mesmo, pega a edição completa. Faz isso cara. Os DLCs desse jogo são muito, muito bons. Tem um que inclusive acrescenta soldados mecatrônicos pra você comandar.

BioShock

bioshock

Amostra o link: Só clicar aqui

Repare que eu tô fazendo questão de falar do título isolado.

BioShock abre a franquia que é, pra mim, a melhor da 2K. Numa cidade submersa que não é atlântida, você se vê no meio de um bando de viciados malucos que só querem te matar, o que pra um cara que acabou de sobreviver a um acidente de avião, é bem frustrante.

O jogo alia elementos de FPS com magia. Sim, magia. Aqui os plasmids fazem as vezes de mana, e você pode fazer a festa combinando seus benefícios com as armas convencionais. O jogo tem um sistema simples de escolha que leva a dois finais diferentes, ou seja, você vai querer jogar ao menos uma segunda vez.

Mas o melhor de BioShock é que mesmo com poderes e armas de fogo ele consegue te botar medo. Rapture (a cidade que não é atlântida) é escura e arrepiante. Por muitas vezes eu me vi parando pra respirar fundo depois de dizimar uma horda de malucos.

BioShock Infinite

bioshock infinite

Amostra o link: Só clicar aqui

Não dá pra dizer pra vocês comprarem BioShock sem falar do Infinite. Pra começo de conversa, a ligação dele com os outros dois BioShocks é bem sutil, então, se você não tá afim de dar esse salto pra trás nos gráficos, vem direto nele.

A história é fantástica e vai explodir sua mente. Eu tenho certeza que já falei dele aqui antes no blog, mas dá pra ressaltar: COMPRE BIOSHOCK INFINITE.

Como FPS ele cumpre muito bem seu papel, te colocando no meio de batalhas loucas, com inimigos pra tudo quanto é lado. Como BioShock ele troca os Plasmids pelos chamados Vigor que funcionam um pouco diferente de seus antecessores mas ainda mantem as propriedades principais.

Além de tudo, BioShock não é uma guerra de um homem só, visto aqui você tem ao seu lado a Elizabeth, essa linda guria que te auxilia trazendo os mais diversos itens ao campo de batalha. E não é como se ela fosse aqueles ajudantes inúteis que precisam ser salvos sempre. Apesar de não estar lá dando uns headshots, Elizabeth sabe se manter fora de vista, o que pra mim, é muito útil.

Enfim, Infinite é uma experiência que vale cada centavo.


Indies

Ok, eu me exaltei um pouco com a lista e tive que reduzir a seleção senão iam ter uns 30 jogos só nesse post. Enfim, alguns indies que merecem destaque.

Mark of the Ninja

markoftheninja

Amostra o link: Só clicar aqui

Se isso serve como pârametro de qualidade pra alguém, Mark of the Ninja é da Klei Entertainment, os mesmos de Don’t Starve (que iria estar na lista mas eu cortei. Comprem também).

Os gráficos dão um show, mostrando um estilo próprio e belo que dá muita confiança no mercado indie. O jogo em si tem uma história turbulenta que dependem de suas escolhas (ao menos no final).

Essa é a história de um Ninja tentando suportar os efeitos da marca do dragão, que enquanto o deixa mais poderoso, também vai o deixando mais fraco mentalmente, beirando a insanidade. Sendo você esse ninja que escolheu ter a marca, sua missão é salvar o clã da destruição.

O game envolve muitas táticas de Stealth e suas diferentes habilidades vão se provar muito úteis em cada missão. Aliás, o game traz um feature interessante. Antes de cada missão você escolhe qual equipamento vai usar. Dependendo de como você se planejar, tudo pode correr bem ou ser um total desastre.

FTL: Faster Than Light

ftl

Amostra o link: Só clicar aqui

Tenho plena noção da relação de amor e ódio que esse jogo desperta em muitos. FTL é um jogo roguelike, o que significa, basicamente, que ele é difícil ainda que simples.

Você faz parte de uma equipe do… império? Federação? É, acho que é Federação. Seu objetivo é entregar uma parada lá num sistema distante. No caminho pra isso, você vai precisar enfrentar piratas, naves inimigas e é claro, os rebeldes. Aliás, nunca entendi porque precisamos explodir uma nave imensa dos rebeldes pra entregar nosso pacote. Mas enfim, é isso que temos.

Esse game é um desafio constante, já que pra evoluir sua nave você precisa destruir outras, só que isso também custa recursos. Não dá pra você ser o melhor em planejamento aqui, já que eventualmente você vai precisar juntar toda a sua tralha ( a moeda do jogo se chama Scraps, então é tralha) pra comprar algo realmente bom. Daí você encontra uma nave que te arrebenta e pronto, você precisa usar a grana pra consertar a nave ao invés de fazer o upgrade.

Além de melhorias na nave, você ainda pode controlar sua tripulação, mandando eles comandarem setores específicos da nave que irão lhe ajudar na hora do combate.

Project Zomboid

zomboid

Amostra o link: Só clicar aqui

Imagina se nos dessem uma perspectiva diferente do apocalipse zumbi? Não de um zumbi (não foi dessa vez), mas de uma pessoa comum que simplesmente quer sobreviver a tudo isso.

Project Zomboid faz exatamente isso, e apesar de ainda estar Early Acess o jogo já mostra muito potencial. A Carol já falou dele aqui. O que mais me agradou nesse jogo, foi a tela de entrada. Basicamente é a introdução de uma história. A história de como você morreu.

Sim, o jogo usa essas palavras. Então você já sabe que esse aqui é um game sobre quanto tempo você dura. O importante aqui não é matar zumbis loucamente, mas sim, coletar suprimentos e construir coisas que vão te sustentar a longo prazo, como um coletor de chuva ou uma horta improvisada.

O jogo está mais preocupado com o aspecto humano de seu personagem, já que este, ocasionalmente sofre de males comuns como tédio, gripe e raiva. Há ainda um certo medo toda vez que vê um zumbi, o que mesmo com o passar dos dias, não parece mudar.

Enfim, Zomboid é um verdadeiro desafio e um grande investimento. E aos que estão se perguntando, ele tem sim suporte pra multiplayer, uma parte divertidíssima do jogo.

This War of Mine

thiswarofmineAmostra o link: Só clicar aqui.

Há mais aspectos sobre uma guerra do que o tiroteio.

This War of Mine trata do lado humano do civis em meio a uma guerra com brilhantismo e beleza. Além de apresentar gráficos não muito diferentes da imagem acima, você enfrenta problemas reais de uma guerra. Falta de suprimentos, milicias, estupros e como isso tudo afeta o psicológico de quem está vivendo esse pesadelo.

Um grupo de pessoas esperançosas, se juntam pra buscar a sobrevivência esperando o fim da guerra, sobrevivendo ao frio, à fome e ao peso de suas escolhas.

Gosta de games de sobrevivência? Vem nesse.


E depois do que pareceram milhares de sugestões, eu encerro meu post.

Eu demorei, eu sei, mas por isso mesmo nem coloquei os preços dos games. Se tiver muito caro, coloquem nas suas wishlists pois eu tenho certeza que agora em dezembro Tio GabeN vai querer visitar nossas carteiras de novo.

Não esqueçam de conferir as recomendações do Mauker pra essa sale e também pra sale do Halloween que apesar dos preços não valerem mais, já dá pra pensar em comprar umas coisas. Ah, tem recomendações do Jhonny nesse post, nesse, nesse e também nesse.

 

 

Sobre o Autor

Outros posts de

Anderson

23 anos. Adorador dos jogos single player, prezando por uma boa história. A variação de humor faz com que a preferência transite entre FPS, RPG e Estratégia.