Dishonored – Justiça ou Vingança

dishonored_review

Fala amiguinhos da Steamtação! Tudo tranquilo? Pois hoje vamos falar de Dishonored! Para quem realmente nunca ouviu falar, ele é um jogo em primeira pessoa com elementos Stealth, seus atos tem consequências no desenrolar da trama, e é ambientado em um fodástico mundo Steampunk.

Nosso brucutu protagonista é Corvo Attano, o guarda costas da Imperatriz Jessamine Kaldwin que é assassinada nos primeiros minutos do jogo. (Nota do revisor: Porra, seu incompetente.)

Corvo estava no lugar errado, na hora errada e é acusado de traição e sequestro da filha da Imperatriz, Emily Kaldwin. Ou seja, situação de merda.

Um dia antes de sermos executados, fugimos da prisão, bem ao estilo Bethesda mesmo, e a trama começa girando em torno de vingança e justiça para encontrar Emily e por ela no trono.

Enquanto essa história se desenvolve, temos a ambientação do jogo, pois além dessa trama política, a cidade se transformou em um ninho de ratos (literalmente). Nela, presenciamos uma praga semelhante a da peste negra que é disseminada por ratos transformando a cidade em um cemitério ao céu aberto. E com isso as gangues ganham poder e o governo regente instaura uma lei marcial que é a seguinte: Todos os cidadães são hostis e devem ser eliminados se passarem de tal ponto, excluindo desse massacre, obviamente, os nobres.

 

Praga de ratos

Praga de ratos

 

Bom, Corvo desperta o interesse da divindade presente no jogo, o Outsider, que o presenteia com os poderes que precisaremos para completar nossa jornada, como o Blink (uma espécie de teletransporte), Bend Time (que para o tempo). E sim, o Outsider só quer ver o circo pegar fogo.

 

The Outsider

The Outsider

 

A jogabilidade é boa demais, não tenho o que reclamar. Podemos correr, pular, escalar, abaixar, matar sem ser visto, matar correndo de peito aberto e o melhor: Você pode fazer combinações de poderes e armas. É uma coisa incrível.

Exemplo: Parar o tempo, mirar a nossa pequena besta em 10 inimigos, disparar as 10 setas e fazer o tempo voltar ao normal todos os infelizes mortos no chão. E claro, isso é só um exemplo das inúmeras maneiras que podemos usar para matar nossos inimigos. :3

Um dos muitos fatores positivos de Dishonored, sem dúvida, é a roupa que nosso personagem usa. Uma máscara pra aterrorizar catarrentinhos em festa de criança e fazer velhinhas cruzarem a rua.

Durantes as missões temos as side quests que podem feitas a qualquer hora. Porém, existe a pior coisa do jogo: Não dá para voltar para uma parte do mapa depois de ter completado uma missão. Ou seja, caso queira 100% do jogo, lá se vão umas boas 20 horas ou mais, e claro, muita paciência.

Em resumo, Dishonored é um jogo ótimo com uma boa trama, diigna de filme, na minha humilde opinião. Não é linear pois te dá a oportunidade de completar o objetivo de inúmeras formas e por fim, ele vale o preço que está no Steam.

Ps: The Outsider walk among us.

Sobre o Autor

Outros posts de

Vinícius Novelli

Tenho 18 anos e jogo de tudo, quer dizer, quase tudo. Se quiser me peitar no BF4 pode vir, CS:GO e COD Bo2 também! Mas se quiser uma coisa mais cabeça vamos para um Command & Conquer ou Company Of Heroes. Fica a dica.